Onde me levasses

IMG_2400

Rio-me da ironia que é estar no chão desta esquina quando tudo o que queria era estar ao teu lado. Rio-me, porque eu teria ido contigo onde tu fosses. Onde me levasses ou onde me pedisses para ir, ou onde a tua teimosia me deixasse ir. Mas no final, deixaste-me foi aqui. Onde achaste que as tuas falhas já não iam fazer-me tropeçar na minha própria vida, depois de ter tropeçado na tua. Mas sabes? Eu não teria visto as falhas no teu coração se não mas tivesses atirado à cara. Nem o buraco na tua alma, nem o vazio nas tuas palavras. Mas nós tropeçamos na vida dos outros e só vemos aquilo que queremos ver, e tudo o resto que o coração precisa fica mascarado. Por mãos dadas, por abraços durante a noite. Fica mascarado e nós damos tudo, vendemos a alma e damos de graça o coração, pedimos em troca muito menos do que precisamos e vamos esperando e acreditando que isso basta. E para mim bastava, até me teres tirado tudo sem me devolveres nada do que te dei, e eu dei-te tanto. Eu dei-te tudo, tudo, por mãos dadas que afinal não me impediram de cair, por abraços que afinal não eram apertados que chegasse, e no final tu deixaste-me aqui. E eu dei-te tudo, tudo. Maldita a hora em que vendi a minha alma para conquistar o teu coração.

Anúncios

2 thoughts on “Onde me levasses

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s