Nisto do amor…o compromisso é o que mais importa.

ghfgdtms.jpgA ideia que que existe um compromisso, mesmo que apenas emocional e/ou verbal (que é o que interessa), é o que faz a ideia do para sempre catapultar as intenções para o dia a dia. Sem a ideia de que existe um compromisso, o amor, mesmo a existir, esfuma-se a cada provocação, a cada desentendimento. Se não se está comprometido, compromete-se tudo o resto. É fácil de entender, difícil de aceitar. Mas, tal como no amor, não vale a pena em nada na vida acreditar que vamos apostar em alguma coisa, em algo, num sentimento ou ideia, com o qual não estamos comprometidos. É apenas adiar o inevitável. Falta de compromisso é igual a falhanço. Apenas isso.

Até que me devolvas a mim mesma

1474385824650723.jpgGuardarei as memórias como arquitectura do nosso amor. Guardarei o som do teu riso e o sabor da tua pele. Guardarei a sensação do teu toque forte e a forma das tuas costas. Guardarei o teu cheiro na minha almofada e os teus cabelos perdidos nos lençóis. Guardarei-te a ti, e o pouco que me resta do homem que foste, em mim, até que o para sempre se dilua no tempo. Até que se mudem lençóis e o teu cheiro de desvaneça. Agarro-me a tudo o que possa que me lembre de ti enquanto me divido a esperar que desapareças ou que me reencontres. Que te reencontres. Que sejas o homem que julgava estares destinado a ser para mim ou que me deixes com memórias a preto e branco, com cheiro a antigo. Aqui e agora, enquanto na boca tenho sabor a fel, recordo a doce ilusão a que me soubeste. Engulo-a a custo, a par com saliva que me lave o sabor a amargo. Enquanto tudo isto não muda, guardo-te enquanto te puder guardar. Até que desvaneças em mim ou me invadas de novo.  Até que me devolvas a mim mesma.

O que aprendi até hoje sobre isto da vida…

  • Ela continua.
  • Não procures a felicidade no mesmo sítio onde a perdeste.
  • Não é verdade que não se deve voltar ao sítio onde fomos felizes. Serei sempre feliz ao pisar o chão de Arcos de Valdevez.
  • Não mendigues amor. Mereces que te seja servido numa bandeja eloquente.
  • A música tem o condão de nos salvar quando os nossos demónios interiores gritam demasiado alto para que os consigamos ignorar.
  • A música é terapia.
  • Saber cozinhar é uma forma de amor, para nós e para os outros.
  • Não há motivo nenhum para não se beber um copo de vinho sozinhos.
  • As lareiras são portais mágicos. Aquecem-nos a cara e as chamas mostram que até quando a vida de consume, há calor e movimento.
  • Os alpendres são perfeitos para ler livros e acariciar gatos.
  • A família que temos são as pessoas que escolhemos amar. Os laços de sangue têm poder mas não ditam a nossa vida nem quem escolhemos amar.
  • Os amigos de infância são tesouros.
  • As crianças também nos educam. Lembram-nos do que é suposto sermos. Apontam-nos erros e falhas. São inocência e não há nada melhor no mundo que olhar para o fundo dos olhos puros de um ser pequenino que ainda não foi corrompido pelo mundo.
  • Deus existe, nem que seja apenas quando precisamos de acreditar com todas as forças. de forma egoísta. A certa altura, todos queremos que exista.
  • O dinheiro corrompe e salva. Escolhe sabiamente.
  • O mundo não te deve nada, tu deves ao mundo, ou a ti em último caso.
  • O mundo pode acabar numa noite mas recomeça na manhã seguinte. É uma certeza anti-desespero.
  • Não há pior sentimento que o desprezo.
  • O desamor mata.
  • O amor nem sempre é correspondido mas não deixa de ser amor.
  • Os amores mais fortes são os contrariados – os amores mais fortes nem sempre têm finais felizes.